terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Pelo sim, pelo não...

                                                                                                                                                                  

sábado, 26 de janeiro de 2019

JOÃO DE BARROS



"João de Barros OSE • GOSE • GCL (Figueira da Foz, São Julião da Figueira da Foz, 4 de Fevereiro de 1881 – Lisboa, 25 de Outubro de 1960) foi um poeta, pedagogo e publicista português. ..." (ler+)

ACap.1916

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

sábado, 19 de janeiro de 2019

DESPERDÍCIO DE ÁGUA


rego d'água que vai para lá dos Coruchéus

alguém já andou a tentar reparar?

"olho d'água"

passeio encharcado


Todos sabemos que a água é cada vez mais escassa no planeta, mas parece que alguns andam esquecidos...

" A água é cada vez mais escassa no planeta; Cerca de 800 milhões de pessoas no mundo não têm acesso a água potável e, só na Europa, 19% do território revela "stress" hídrico, não tendo água suficiente para abastecer a população.

Sendo um dos recursos mais importante para as populações, é crescente a preocupação com os níveis de desperdício no consumo de água."

"Crescente preocupação" de quem?! Minha e de muita gente que tem alertado as entidades competentes para um enorme desperdício de água, que se verifica há mais de uma semana (desde 6ªf.,11) e cuja causa continua por reparar... Contactou-se a EPAL, que enjeitou a responsabilidade e passou a bola para a Câmara Municipal; contactou-se a Junta de Freguesia, cujo Polo, o dos Coruchéus, presentemente encerrado, se encontra logo ali, do outro lado da rua, os serviços da Câmara... e, até hoje, nada!... O "olho de água" continua a brotar água generosa e regularmente, alagando a zona ajardinada e o passeio, desperdiçando-se hectolitros e hectolitros de água que não aproveita a ninguém nem a nada... (ainda que fosse para a agricultura!...)

"Em Portugal, os dados apontam para cerca de 3 100 milhões de metros cúbicos de água desperdiçada por ano.  É cerca de 41% da procura total de água, verificando-se que a agricultura é um dos sectores com maior desperdício."

Pois, é preciso é arranjar bodes expiatórios - a agricultura, os jardins, os consumos domésticos... não digo que não, que em qualquer um desses sectores não haja más práticas que remetam para consumos com desperdício, mas, mesmo assim, nem toda a água é desperdiçada. 
Neste caso de rotura acidental, como em muitos outros por todo o país, é que o desperdício é total e bem podia e devia ser evitado, procedendo-se de imediato à reparação da causa, o que, como se vem constatando, não acontece.

"Inserido numa zona de risco de aquecimento global, Portugal enfrenta o gradual aumento de temperatura que significará uma diminuição dos seus recursos hídricos e obrigará a reformular os modelos de consumo."

(ou seja, já não bastava o risco do aquecimento global... não, não vou aqui partilhar o que penso desta questão da água e de toda a hipocrisia envolvente. Certo é que estou convencida de que as guerras e os negócios milionários deste século, ou me engano muito ou vão ser mesmo por causa da falta de água potável! Portanto...

Vá lá, uma semana de desperdício já chega, não? Vá, vão lá reparar a rotura antes que alguém entre em ruptura... )

"Bem prega Frei Tomás"


1921

Entretanto

E a rotura continua sem ser reparada! Cada vez o caudal é maior... Então, ó Regulador, e o que é que se faz, ou melhor, devia fazer ao responsável por este desperdício absurdo (para não dizer criminoso) de água?!...

Finalmente hoje (21.01.2019), pelas 14,30 horas, apareceu a CME, a da abelinha, para proceder à reparação. A propósito, esta CME será a Câmara Municipal Empresarial (😏 ) ou terá sido a EPAL CME que veio fazer a reparação? Afinal, qual a responsável pela reparação da rotura? A EPAL, a CML ou a CME ? Em qualquer caso, mais de uma semana para reparar uma fuga de água, com um débito muito considerável, é inadmissível.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

MANUEL RIBEIRO DE PAVIA


Pan.

"...  Assim é: passava realmente fome. Todos nós o sabíamos. E ele a falar-nos de pintura, de poesia, da dignificação da vida. É justamente nisto que residia a sua grandeza. Não falava da sua fome - de que, feitas bem as contas, veio a morrer. A fome não consta de nenhum epitáfio. ..." (ler+)


quarta-feira, 2 de janeiro de 2019