sábado, 1 de fevereiro de 2020

O REGICÍDIO



Esta é a placa que eufemisticamente, digamos assim, assinala o Regicídio, isto é, o assassinato do Rei de Portugal e do Príncipe Real. De facto, parece-me que essa expressão "morreram pela Pátria" não espelha devidamente as circunstâncias da morte, tentando dissimular um crime de lesa-pátria...

I.P.

"... Há pouca gente no Terreiro do Paço. Quando a carruagem circulava junto ao lado ocidental da praça ouve-se um tiro e desencadeia-se o tiroteio. Um homem de barbas, passada a carruagem, dirige-se para o meio da rua, leva à cara a carabina que tinha escondida sob a sua capa, põe o joelho no chão e faz pontaria. O tiro atravessou o pescoço do Rei, matando-o imediatamente. Começa a fuzilaria: outros atiradores, em diversos pontos da praça, atiram sobre a carruagem, que fica crivada de balas.[carece de fontes]

Os populares desatam a correr em pânico. O condutor, Bento Caparica, é atingido numa mão. Com uma precisão e um sangue frio mortais, o primeiro atirador, mais tarde identificado como Manuel Buíça, professor primário expulso do Exército, volta a disparar. O seu segundo tiro vara o ombro do rei, cujo corpo descai para a direita, ficando de costas para o lado esquerdo da carruagem. Aproveitando isto, surge a correr de debaixo das arcadas um segundo regicida, Alfredo Costa, empregado do comércio e editor de obras de escândalo, que pondo o pé sobre o estribo da carruagem, se ergue à altura dos passageiros e dispara sobre o rei já tombado.[carece de fontes]

A rainha, já de pé, fustiga-o com a única arma de que dispunha: um ramo de flores, gritando “Infames! Infames!” O criminoso volta-se para o príncipe D. Luís Filipe, que se levanta e saca do revólver do bolso do sobretudo, mas é atingido no peito. A bala, de pequeno calibre, não penetra o esterno (segundo outros relatos, atravessa-lhe um pulmão, mas não era uma ferida mortal) e o Príncipe, sem hesitar, aproveitando porventura a distracção fornecida pela actuação inesperada da rainha sua mãe, desfecha quatro tiros rápidos sobre o atacante, que tomba da carruagem. Mas ao levantar-se D. Luís Filipe fica na linha de tiro e o assassino da carabina atira a matar: uma bala de grosso calibre atinge-o na face esquerda, saindo pela nuca. D. Manuel vê o seu irmão já tombado e tenta estancar-lhe o sangue com um lenço, que logo fica ensopado.[carece de fontes]..."  (ler +)


I.P.

"O regicídio de 1 de Fevereiro de 1908, perpetrado por Buíça e Alfredo Costa e secundado por uma conspiração onde pontificava Aquilino Ribeiro, vitimou el-Rei D. Carlos e seu filho primogénito, D. Luiz Filipe, que viajavam entre o Terreiro do Paço e as Necessidades numa carruagem aberta onde seguiam também D. Amélia e D. Manuel II, que escaparam ao atentado.
Este crime marcou o final de uma época de paz para Portugal.

Deu um golpe mortal na monarquia portuguesa, sendo o primeiro crime de morte sobre um Chefe de Estado português. A forma de fazer política utilizando o crime prosseguiria depois: Sidónio Pais virá também a ser assassinado e a onda de atentados à bomba e crimes de sangue continuará até mesmo depois do golpe militar de 28 de Maio de 1926.

A república que se instalou dois anos depois desta mancha negra da nossa história, em 1910, está assente neste acto cobarde que derruba um regime plenamente democrático onde o partido republicano concorria e perdia as eleições com menos de 10% dos votos. ..." (ler+)

I.P.

sábado, 25 de janeiro de 2020

ESTACIONAMENTO (IR)REGULAR

Assim como há marcações que são feitas para cumprir...


há outras que parece terem sido feitas para não cumprir !...


Ou será que estas marcações de estacionamento são feitas só para enfeitar?!

Começo a ter as minhas dúvidas... 

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Escritores Malditos





D.L.

"... A relação entre a vida e a escrita tem sido um tema muito debatido pela crítica que se tem ocupado da obra de Luiz Pacheco, ora centrando-se numa abordagem biográfica (GEORGE, Puta que os pariu), ora procurando realçar uma distinção entre o projeto literário do autor e a vida do homem (SANTOS, «Luiz Pacheco: uma literatura descarnada»).

Também muito do que se vai escrevendo sobre Manuel de Castro tem realçado alguns aspectos da sua biografia. Por exemplo, raras são as resenhas que não refiram o seu alcoolismo ou o seu humor instável, características que, em conjunto com uma morte prematura, completam o retrato do poeta maldito. ..." (ler+)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

LIGA DOS COMBATENTES

D.L.

(A lápide encontra-se no prédio com o nº 260, na R. de S. Paulo, e não no prédio com o nº 20, como se indica na notícia)



quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Os Reiseiros


I.P.

"O cantar dos reis ou reisadas[1] é uma tradição secular portuguesa celebrada por volta do dia de Reis. Nesta, um grupo de populares, chamados de "reiseiros", tocam e cantam às portas das casas, invocando a celebração da visita dos três Reis Magos para pedir esmolas e donativos. ..." (ler+)

Uma tradição que perdura no Brasil - http://www.reiseiros.com/

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

LISBOA Cidade da Tolerância

Domingo, 1 de Dezembro do ano da graça de 2019

Largo de S. Domingos









Às portas do Nacional





De facto!...