sábado, 19 de setembro de 2009

O TEJO e os CACILHEIROS

(imagem da Net, não identificada)

Imagens do Tejo e dos cacilheiros, a vida no rio, entre margens...

A letra deste fado, que se intitula precisamente "Vai e vem do cacilheiro", é de Rui Manuel, a música de Vital d'Assunção e a interpretação é de Júlia Chaves, uma fadista flaviense, radicada em Lisboa desde 1965, ano em que veio estudar para o Conservatório.

13 comentários:

  1. Bonito fado e bonitos panoramas.

    Incrível a vista que se tem de Lisboa, desde o Cristo Rei.

    Dá para ver o colorido desta bonita cidade.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  2. GOSTEI MUITO DE VER E OUVIR A PEÇA AQUI MUITO BEM APRESENTADA, DE JÚLIA CHAVES.
    PARABÉNS Á AUTORA, IMAGENS LINDÍSSIMAS!

    ResponderEliminar
  3. QUE SAUDADES DE OUVIR, VER JÚLIA CHAVES, IMAGENS LINDAS MONTAGEM PERFEITA.
    TENHO PENA QUE NÃO HAJA MAIS CANÇÕES DESTA GRANDE CANTORA QUE TEVE NÍVEL INTERNACIONAL...COMO " VAI VEM DO CACILHEIRO" QUE NUNCA FOI DIVULGADO.
    FAZEM FALTA PESSOAS COMO O AUTOR DESTA PEÇA, QUE DIVULGUEM OS NOSSOS ARTISTAS!

    ResponderEliminar
  4. Obrigada, Fábio, pelo comentário. Mtº me apraz que tenha gostado.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Obrigada por esses Parabéns, Anónimo!

    ResponderEliminar
  6. Obrigada, M. Ransy, pela bondade do seu comentário; de facto, é lamentável que pouco se divulgue o nosso Fado e que fadistas como a Júlia Chaves e que temas como este sejam muito pouco conhecidos pelo grande público...
    Eu vou dando o jeito que posso nesta tarefa, quase missão, de melhor dar a conhecer o Fado e, através dele, os seus autores, intérpretes e a cultura portuguesa. Por isso, neste blog, mais centrado em Lisboa, o Fado sempre terá lugar de destaque, tanto mais que é filho da terra, dizem uns que da Mouraria, outros de Alfama..., enfim!, que é de Lisboa, isso por certo, não haja dúvida!...

    ResponderEliminar
  7. Olá MLisboa

    Não conhecia este fado de Júlia Chaves.
    As imagens...belíssimas.
    É sempre bom vir aqui ao seu blogue!

    ResponderEliminar
  8. Obrigada, Manuel. Muito me apraz que tenha gostado.

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia a Júlia Chaves, mas conheci muito bem os cacilheiros.
    Gostei!
    Muito obrigada.

    ResponderEliminar
  10. Está, então, na altura (e devidamente credenciada) para fazer tb uma letra para um fado sobre esta vida no Tejo, Comadre!...
    Obgd pelo coment

    ResponderEliminar
  11. Fico lisonjeada! Então assim lá terei de falar daquela zona a meio da viagem, que quem conhece sabe muito bem de qual falo, em que parece que vamos todos borda fora, e não é vai e vem, é mesmo sobe e desce! É boa viagem para se fazer pois, do outro lado, bem sabemos, do melhor para se ver é a panorâmica sobre Lisboa, "cheia de encanto e beleza"! Porém, nesta viagem de que falo, já não se vai de cacilheiro há algum tempo. Esses também estão em vias de extinção. Para Cacilhas ainda deve ser possível, para os interessados, experimentar estes velhos resistentes.

    ResponderEliminar
  12. Pois, Comadre, isso seriam outras viagens, de sobe e desce... eu, sp foi mais Cacilhas, que a mais não me atrevia! De Lisboa ao Gingal para uns comes bem regados, era certinho...
    Outros tempos! Agora, como diz, até os cacilheiros estão em vias de extinção... Modernices!...

    ResponderEliminar
  13. GOSTEI SEMPRE MUITO DA JÚLIA CHAVES; TIVE O GOSTO DE A ACOMPANHAR MUSICALMENTE EM AGOSTO DE 1973, NUM GRANDE CRUZEIRO Á CIDADE DE MÉXICO CITY, FOI SEMPRE UMA GRANDE CANTORA UMA BOA AMIGA E COLEGA.
    COM UM GRANDE BEIJO DE AMIZADE

    ANTONIO VILAS BOAS

    ResponderEliminar