quarta-feira, 25 de maio de 2011

Os ruídos, as varinas e os pregões

(I.P. 1903)

(D.L.1933)

(I.P.1912)

" Vão acabar os ruídos" E não é que acabaram mesmo?!... Remédio santo! Os pregões deviam ser, de facto, daqueles barulhos muito incomodativos!... Andou bem a comissão camarária, particularmente, ao equiparar os pregões e outras manifestações de índole musical aos ruídos de motores, de buzinas, de rodados sem protecção... Em boa hora o fez! Anos passados, a Cidade está muito mais silenciosa!... Pelo menos, "Foram-se embora os pregões da Madragoa / Já cá não mora a varina de Lisboa / E agora o Tejo que anda sempre apaixonado / Até já canta outro fado"
A letra é de Helder Moutinho e a música de António Neto, a interpretação é de Elsa Laboreiro.

2 comentários: